Páginas

sábado, 13 de novembro de 2010

E peteleco, pode?

Lei da Palmada? Não concordo.

Antes de qualquer coisa, quero salientar que esta discussão é sobre a palmada como medida pedagógica, não chegando ao ponto de "violência fatal". Os abusos que ocorrem já são coibidos e devidamente punidos de acordo com as leis penais.

"Negar aos pais o direito à palmada é contribuir para que as crianças não respeitem a autoridade, hoje verdadeiro desafio no lar e na escola. Será que não basta a permissividade existente, nos vários segmentos da sociedade?" (Profª Yvette Amaral)

Acho que o Estado não deveria se intrometer onde não é chamado. Interferências assim no poder familiar são inadmissíveis. O Estado não deve ser controlador de tudo, ou vamos acabar como nos tempos de Hitler: querendo mandar até no banho das pessoas.

Imaginem só , uma criança ou adolescente ameaçando denunciar e prender os pais? Eu mesma conheço uma pessoa que fez isso. E aí, quem é a autoridade agora? Quem fica submisso a quem? NÃO PODE! A autoridade é parental!

Claro que é necessário discernimento e sabedoria para se utilizar desse recurso. Os pais e mães não devem e nem podem se aproveitar do direito de bater nos filhos. Não podem fazer deles "bodes expiatórios" para seus problemas, estresses ou TPM. Existem inúmeras medidas alternativas. A principal delas é simples: DIÁLOGO. Além de este demonstrar compreensão e afeto (coisa que não acontecia na antigüidade, a exemplo de Roma e do povo fenício), é um exemplo para a vida adulta da pessoinha.

É importante, entretanto, ter consciência de que tais alternativas podem não funcionar, visto que cada adolescente e criança tem uma personalidade e um jeito diferente de reagir. Em certos casos, só o castigo físico resolve. Nem sempre a palmada é o caminho mais correto, é bem verdade, mas negar aos pais o direito de usá-la quando necessário é inviável.

Quando li o tal projeto de lei, achei graça do seguinte artigo:

"Art. 1634 - Compete aos pais, quanto à pessoa dos filhos menores:

VII. Exigir, sem o uso de força física, moderada ou imoderada, que lhes prestem obediência, respeito e os serviços próprios de sua idade e condição."

Agora, me responda, deputada Maria do Rosário: como uma mãe vai exigir isso de uma criança pequena, um bebê? "Não adiantam discursos pedagógicos para uma criança de um ano. Só uma pequena dor física é capaz de criar nela um reflexo condicionado, impedindo que reincida na mesma falha."(Profª Yvette Amaral)

E isso não é tudo. A "Lei da Palmada" fere os princípios da Constituição Mundial: a Bíblia. Diversas passagens declaram a necessidade e a obrigação de disciplinar os filhos :

(TODAS AS PASSAGENS ESTÃO NO LIVRO DE PROVÉRBIOS)

Capítulo 13, versículo 24: "O que retém [ou não usa] a sua vara odeia [ou prejudica] a seu filho, mas o que o ama, a seu tempo, o castiga."

Capítulo 23, versículo 12-14: "Aplica o teu coração à disciplina, e os teus ouvidos às palavras do conhecimento. Não retires a disciplina da criança, porque, se a fustigares com a vara, nem por isso morrerá. Tu a fustigarás com a vara e livrarás a sua alma do inferno."

A disciplina é o outro lado do ensino. A Bíblia faz clara distinção entre disciplina e abuso físico. A correção pode ser dolorosa, mas não é prejudicial. Muito pelo contrário! Às vezes a dor pode ser parte da
correção eficaz. Um pai só repreende o filho porque o ama e quer vê-lo trilhar caminhos corretos.

Preciso falar mais alguma coisa? Quem tem ouvidos para ouvir, ouça!

Fiquem na Shalom aí.
May

13 criaturas falantes:

Anônimo disse...

E isso não é tudo. A "Lei da Palmada" fere os princípios da Constituição Mundial: a Bíblia.

nem todos precisam seguir essa "constituição mundial".

Mayra disse...

Em que parte do texto eu disse isso?

Se você quiser se identificar pra debater seriamente, eu agradeço (:

Wesley Borges disse...

E aí, tudo bem? Vi seu blog numa comunidade do orkut sobre divulgação de blogs. Se você quiser, pode enviar seu banner para o meu blog que eu colo na página principal. E entre no meu blog, escolha um banner do meu blog e cole no seu, para a gente ser parceiro de banner. O blog é este aqui:
http://diazdezumbi.blogspot.com/
Bjs!

Renato disse...

li o post e acho um absurdo qualquer tipo de violência contra a criança...
seja ela leve ou pesada,como forma "pedagógica" ou como abuso de autoridade...
como tudo que está escrito nesse livro que muitas pessoas ainda acreditam ser verdade que é a biblia eesses versículos são subjetivos e podem ser interpretados de qualquer forma por diferentes pessoas,aonde fica a linha de pedagogia e disciplina pra cada uma dessas diferentes pessoas?
é sim dever do estado proteger as suas crianças,o futuro desse país contra pais q abusam da fragilidade e da condição de seus filhos...
a violencia nunca é a solução...
você deveria assistir a um programa chamado supernanny,tanto a versão nacional,mas principalmente a britanica...nunca vi a apresentadora ter de agredir as crianças para educá-las...é sim preciso puni-las,mas não com violencia...ou acabaremos criando gerações que perpetuarão a violencia...
a sua chamada constituição universal está errada e cheia de violencia...
não devemos agredir nossas crianças baseados em um livro escrito há dois mil anos...
se nóa mais velhos não somos punidos fisicamente por nossos erros porque deveriam nossas crianças?
só porque são fracas?
porque são jovens e ainda tem muito o que aprender?
país que batem em seus filhos devem sim responder a processo e cumprirem pena...
precisamos da justiça,do amor,e da inteligencia dos homens...
e não da justiça do amigo imaginaria de algumas pessoas!

Obrigado mayra pela a oportunidade de me expressar...

Mayra Husein disse...

Renato, obrigada por eu ter tido, FINALMENTE, a alegria de receber um comentário inteligente aqui no blog.

Já assisti ao Supernanny diversas vezes... Claro que as "supernannys" não precisam usar de violência, e elas nem podem. Mas a questão é que ela é uma pessoa de fora. Não foi ela quem pariu, não é ela quem todos os dias tem que reclamar com a criança, não é ela quem todos os dias manda a criança comer, tomar banho, arrumar os brinquedos, isso ou aquilo... Isso tudo influencia, os pais acabam perdendo autoridade pelas próprias atitudes.
Além disso, a criança sabe que a mulher que tá indo na casa dela é a SUPER babá. Assim, ela é SUPER! Imagina o susto que isso não dá na pessoa! Só nisso, só na denominação utilizada, a "nanny" conquista a autoridade. Crianças respeitam AUTORIDADE, a tal autoridade que os pais tinham perdido a "nanny" consegue restituir pra eles.
Logo, se crianças respeitam autoridade, e se você a tem, não vai ser NECESSÁRIO usar da palmada. Compreende?

"Claro que é necessário discernimento e sabedoria para se utilizar desse recurso. Os pais e mães não devem e nem podem se aproveitar do direito de bater nos filhos. Não podem fazer deles "bodes expiatórios" para seus problemas, estresses ou TPM. Existem inúmeras medidas alternativas. A principal delas é simples: DIÁLOGO. Além de este demonstrar compreensão e afeto (coisa que não acontecia na antigüidade, a exemplo de Roma e do povo fenício), é um exemplo para a vida adulta da pessoinha." Eu escrevi uma redação sobre esse assunto, e uma das medidas alternativas que citei foi a de "confiscar" algo que a criança goste muito caso reincida na falha.

Dói muito nos pais baterem nos seus filhos. Eu acho que devem ser tentadas TODAS as alternativas antes de partir pra essa. Só acho um absurdo sem tamanho o Estado proibir a palmada QUANDO NECESSÁRIA. E também acho que essa lei é dificílima de ser cumprida: como é que o Estado vai conferir se todo mundo tá cumprindo certinho? Vai comocar câmeras na casa de todo mundo? Não, não vai.
Achei inútil, digo mesmo.

Quanto à sua pergunta: "Se nós mais velhos não somos punidos fisicamente por nossos erros, porque deveriam nossas crianças?", minha resposta é: devia ter gente pra dar um belo de um puxão de orelha, oras! Tratamento igual! Mas por outro lado, nós já sabemos exatamente como devemos nos comportar. Se erramos, é porque queremos ou não estamos nem aí. A criança erra por não saber, e se ela não aprender, vai afetar de maneira negativa o futuro dela. E convenhamos, tem MUITA, muita criança mesmo que não aprende só escutando.

Muito obrigada por postar um comentário decente aqui. Acho que foi o primeiro que já recebi.

Mila b disse...

May, eu não concordo muito com você não.
Eu apanhei muito quando criança, e isso só me fez me deixar com mais medo do que respeito pela minha mãe. Por experiência própria eu sou totalmente a favor dessa nova lei.
Existem pais muito estressados por ai, e descontam toda sua raiva na criança. Padrastos também fazem isso, e você sabe que meu primeiro padrasto não foi muito bom.
Desculpa amiga, mas essa é a minha opinião.
E sim, eu nunca aprendi nada útil com palmada, e sim com gestos.

Mayra Husein disse...

Amiga, você acabou de dizer que você apanhou MUITO. É isso que eu não acho correto: o exagero. Foi como eu falei ao responder o comentário do Renato: acho que todas as alternativas devem ser tentadas antes de chegar à palmada. O que eu acho absurdo é os pais realmente PRECISAREM usar desse artifício e serem proibidos pelo Estado. Eu falo no caso dos pais "normais", entendeu? Os que exageram, já tem leis pra cuidar deles, e várias, por acaso.

Concordo contigo que o que ensina são os gestos, palmada sozinha não ensina NADA. Mas ela marca e te faz lembrar do que você deveria ter aprendido com os gestos. "Poxa, eu tô apanhando porque eu fui burro, minha mãe conversou tantas vezes comigo, me ensinou como era o certo e eu insisti no errado."

Entendeu minha opinião? (:
Te amo, bb quase maior de idade. <3

Olha a merda disse...

olha gente eu tenho 22 anos
eu concordo plenamente com você
eu ja apanhei algumas vezes do meu pai e da minha mãe e realmente eu mereci, pelo simples fato de ter ignorado as ordens deles, apanhando eu percebi que eles é quem mandam em mim e eu não posso sair por ai fazendo o que bem entendo sem consultar ninguem, nós aprendemos os principios da lei, eu conhesso crianças que os pais nunca levantam a mão pra ela, e elas são terriveis, ela nao te obedencem de nenhuma forma, e meus irmãos menores não aprontam nada por que eles sabem que se meu pai tiver que dar o terceiro aviso eles vao apanhar. eu acho que bater em uma criança só para descontar a raiva é o problema, mas bater pra diciplinar protege seu filho para que ele mesmo nao se machuque ou até mesmo machuque alguem. hoje não sou nenhum psicopata ou sociopata, me dou muito bem com as pessoas, e quero ter a oportunidade de dar a mesma criação que eu tive para meus filhos.

Anônimo disse...

a bíblia constituição mundial?

vc sabe que o Brasil tem uma constituição LAICA??
e que nada na constituição pode ter a ver com religião nenhuma...
não sabe?
ãh.
crianças...
tsc tsc tsc

Anônimo disse...

Daqui a pouco da palmada na hora do sexo é violência a mulher, politicagem quer se meter em tudo.

Anônimo disse...

Tu está de brincadeira? Tu tem filhos? Parei de ler no momento que questionas como educar uma criança de 1 ano? Batendo? O que uma criança de 1 ano vai fazer que tu vai ter que bater nela?

Anônimo disse...

"Mas por outro lado, nós já sabemos exatamente como devemos nos comportar. Se erramos, é porque queremos ou não estamos nem aí. A criança erra por não saber, e se ela não aprender, vai afetar de maneira negativa o futuro dela".
Quando li isso que você escreveu, me perguntei: bater em pessoinhas que não sabem direito quando erram é mais certo do que repreender as maiores que já sabem que estão errando e continuam fazendo? Não sei se você entendeu o que eu quis dizer, mas você bateria em um cachorrinho que fez cocô no tapete, por exemplo? Eu acho errado bater em crianças. E mesmo que algumas não aprendam com o diálogo, eu acredito que a violência não vai ser a sua valvula de escape, acredito que terá resultados negativos, porque pode gerar sentimentos ruins na criança, como medo e raiva. Além do mais, muitos pais não sabem "usar" a palmada. Meus pais me batiam muitas vezes por motivos idiotas, e isso causou um problema muito grande na família. Os pais devem conquistar sua autoridade com o jeito de falar, o comportamento e o exemplo. A criança não sabe direito o que está fazendo (por exemplo, se você quer que uma criança de 5 anos vá tomar banho, a carregue e a coloque no chuveiro, assim deixe-a agir sozinha, se ela gritar com você, apenas diga "não grite comigo e tome já seu banho", eu faço isso com minha irmã e ela me obedece, depois rimos e ela toma o banho normal, eu acho que agir com naturalidade e com educação trará muitos resultados positivos). Já um adolescente, precisa do exemplo dos pais, precisa de pulso firme e aguentar alguns gritos que surgem em toda família, mas nunca levantar a mão. Vivemos numa cultura de violência, e até concordo com você, alguns adultos também merecem um puxão de orelhas, mas eles não recebem. Então não é justo batermos em crianças.

António Jesus Batalha disse...

Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens
é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
Tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita.
Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido
também o seu blog. Minhas saudações.
Sou António Batalha.

Postar um comentário

It's your time now (: